Categorias
Cuidadores de Idosos Cuidados com idosos Parkinson

A importância do cuidador de idosos para pessoas com Doença de Parkinson

Quem tem familiares da terceira idade sabe o quanto é importante garantir o bem-estar do ente querido, e o cuidador de idosos pode ser parte desse processo. São inúmeras as dificuldades encontradas nos últimos anos da vida e, por isso, a ajuda especializada é tão bem-vinda.

No caso de idosos com restrições maiores, portadores de Doença de Alzheimer ou Parkinson, por exemplo, essa decisão se torna ainda mais fundamental. Isso porque a pessoa idosa que apresenta dificuldades precisa de cuidados especiais. Assim, consegue viver melhor e com mais conforto.

Por se tratar de um assunto importante, preparamos este artigo para explicar como o cuidador de idosos pode auxiliar seu familiar com Doença de Parkinson a ter mais autonomia no dia a dia. Saiba como a presença de um profissional pode melhorar a qualidade de vida do idoso em vários aspectos. Afinal, mudanças simples na rotina, somadas ao acompanhamento médico, têm ótimos resultados para amenizar os sintomas da doença. Boa leitura!

Entenda a Doença de Parkinson

Muitas pessoas acham que a doença de Parkinson tem como sintoma apenas o tremor das mãos. Apesar desse quadro ser amplamente conhecido e real, a doença se manifesta por meio de outros sintomas também. Trata-se de uma condição de saúde crônica e progressiva.

Ocorre a morte de células cerebrais na parte do órgão que produz a dopamina, substância que controla os movimentos do corpo. O resultado é uma sintomatologia que inclui movimentos lentos e sem precisão, rigidez dos membros, dificuldade de movimentação, entre outros.

Os familiares também podem notar problemas na fala, na memória, espasmos e falta de equilíbrio. Os sintomas são individuais, e a progressão da Doença de Parkinson também, embora ela seja mais comum em pessoas de mais idade, a partir dos 65 anos. Nesses casos, é importante que a família esteja atenta a qualquer mudança para fornecer o suporte necessário, como a presença de um cuidador de idosos.

Os tratamentos atuais são voltados para a promoção do bem-estar da pessoa idosa, uma vez que a cura da doença ainda não é conhecida. O objetivo é amenizar os sintomas que comprometem a rotina e aumentar a quantidade de dopamina no cérebro, melhorando a qualidade dos movimentos.

Como o cuidador de idosos pode ajudar?

No caso de pacientes portadores da doença de Parkinson, o cuidador de idosos traz experiência e conforto para a rotina, com atuação cuidadosamente pensada para atender às necessidades do idoso. Uma equipe multidisciplinar pode oferecer um tratamento especializado, ideal para cada caso, capaz de suprir as carências relacionadas a cada sintoma.

Uma alimentação adequada, exercícios físicos e acompanhamento de profissionais de áreas como Fonoaudiologia são exemplos de mudanças propostas pelo cuidador. Com essa nova rotina, o idoso se sente mais confortável e passa a ter mais qualidade de vida. A palavra-chave aqui é autonomia, mantida em nível máximo com a companhia constante do cuidador.

Adaptações no ambiente de casa também são oportunas, uma vez que esse acompanhamento ajuda muito o paciente com Parkinson. Cômodos com estruturas firmes e seguras, além de itens que facilitem as atividades, são bons exemplos. O mais importante na presença do cuidador é a confiança, já que as tarefas demandam paciência, cuidado e tolerância.

Saiba mais sobre o cuidado na terceira idade

O cuidador de idosos é um profissional treinado para apoiar a pessoa na terceira idade. Quando o indivíduo apresenta quadro de Parkinson, contratar um cuidador é a melhor forma de garantir a manutenção da autonomia e do bem-estar. Por se tratar de uma doença neurológica, merece atenção total.

Os sintomas incluem limitação de movimentos e de fala, problemas de memória, equilíbrio e rigidez dos membros. Outros aspectos podem se manifestar, pois a doença evolui de formas diferentes e sua sintomatologia é individual, podendo ser ampla, ou mesmo reduzida. Adaptações na rotina e na casa, incluindo exercícios, alimentação e um ambiente seguro tornam o cotidiano mais agradável.

Assim, ocupação do cuidador de idosos é, reconhecidamente, a de um suporte à pessoa idosa. Independentemente do estágio do envelhecimento e das particularidades de cada indivíduo, o profissional está sempre pronto para auxiliar. Para saber mais sobre o assunto, confira nosso artigo sobre a especialização da equipe de cuidadores de idosos da Senior Concierge.

Categorias
Check-up do Lar Senior Cuidados com idosos

Quedas de idosos: 7 dicas de como evitar

As quedas de idosos são um problema enfrentado por boa parte desse grupo, em decorrência de causas variadas. O corpo, por si só, já não tem a mesma resistência, ao mesmo tempo em que a estrutura da casa pode conter elementos de risco.

Depois dos 65 anos, o índice de queda da pessoa idosa varia de 28% a 35%, com números que sobem depois dos 70 anos para 32% a 42%. Logo, essa questão merece um cuidado especial para que o familiar idoso tenha mais conforto diariamente.

Mudanças práticas são capazes de evitar quedas de idosos, das mais simples às mais graves. É preciso avaliar cada cômodo para reverter as possíveis causas de acidentes, que podem acarretar impactos à saúde e prejudicar a qualidade de vida. Quem tem familiares idosos, em especial os que apresentam dificuldades de locomoção ou doenças, precisa estar atento.

Quer saber mais sobre esse assunto para cuidar do seu ente querido cada vez melhor? Confira as dicas que preparamos para evitar quedas de idosos.

Acidentes: quais os fatores de risco?

O envelhecimento é um ciclo da vida que promove mudanças no corpo, as quais podem induzir acidentes domésticos com idosos. Um dos efeitos naturais do tempo é a perda da massa muscular, aspecto essencial para a realização de movimentos cotidianos.

Com isso, a musculatura do idoso enfraquece e as quedas se tornam mais frequentes, pois o corpo não tem mais a mesma vitalidade. Além disso, o equilíbrio também diminui com o passar do tempo, dificultando a locomoção mesmo em ambientes aparentemente seguros.

Quedas de idosos também podem ser causadas por problemas de visão, outro exemplo de mudança fisiológica. Dentro de casa, é preciso avaliar o piso, tapetes e a iluminação, bem como outros cuidados simples. A seguir, você vai descobrir como tornar o lar do idoso mais seguro.

Como evitar quedas de idosos?

Reduzir o índice de acidentes na terceira idade demanda atenção a dois pontos: o fisiológico e o ambiente. Confira nossas sete dicas para evitar quedas de idosos.

1. Mantenha a casa iluminada

Adeque a iluminação de todos os cômodos, para evitar pontos escuros e ter certeza que o seu familiar está caminhando com mais segurança.

2. Cheque os pisos

Alguns pisos são mais derrapantes. Por isso, prefira os que oferecem menor risco de quedas. Caso queira usar tapetes, opte pelos emborrachados e antiderrapantes, para evitar que embolem e causem acidentes

3. Escolha móveis firmes

Como os móveis acabam servindo de apoio para a pessoa idosa, escolha peças firmes e seguras para a casa toda. Dê uma atenção especial à mesa de cabeceira.

4. Deixe o banheiro seguro

O banheiro é um cômodo onde acontecem muitas quedas de idosos. Para evitar esse quadro, instale barras de apoio e tapetes antiderrapantes. Degraus no banheiro devem ser evitados.

5. Fique de olho na saúde

As consultas médicas são indicadores no caso da necessidade de óculos ou terapias para fortalecer a musculatura. Esses detalhes são responsáveis por muitos acidentes.

6. Contrate um cuidador

O cuidador de idosos é responsável por acompanhar o familiar e prestar toda a assistência necessária. Além da ajuda com as atividades diárias, o profissional é uma companhia atenta e experiente para combater o problema

7. Invista em um check-up do lar

Algumas empresas oferecem o serviço de check-up do lar, ideal para os idosos. Com a consultoria, você descobre quais adequações podem ser feitas na residência para melhorar a mobilidade e o dia a dia da pessoa idosa.

Cuidados na terceira idade

Evitar quedas de idosos é importante para elevar a qualidade de vida e a saúde. Acidentes domésticos se tornam mais frequentes a partir dos 65 anos e podem comprometer, principalmente, a mobilidade. Aspectos físicos relacionados a equilíbrio, fraqueza muscular e visão podem causar quedas.

Entre as principais dicas estão adequar os cômodos, para mantê-los iluminados e sem pisos e tapetes derrapantes. Conte com um check-up do lar para fazer as mudanças necessárias, e um cuidador pode auxiliar na rotina do idoso. Fique de olho nas indicações médicas para garantir uma melhor qualidade de vida à pessoa idosa, o que também evita acidentes.

As precauções com o familiar da terceira idade englobam cuidados além das quedas de idosos. Na prática, todos os detalhes fazem a diferença quando se fala em bem-estar. Confira nosso artigo sobre companhia para idosos e saiba como a presença de um cuidador pode transformar o dia a dia de quem você ama.

Categorias
acompanhamento hospitalar Cuidados com idosos

Idosos acamados: como garantir seu conforto?

Uma dúvida muito comum para quem tem familiares mais velhos é relacionada aos idosos acamados. Afinal, quais são as recomendações para esses casos? Existem situações em que a pessoa idosa preserva todas as funções neurológicas, enquanto em outras elas também ficam prejudicadas.

Alguns cuidados simples, como higiene e alimentação adequada, ajudam a garantir o conforto do paciente nessa etapa da vida, assim como a companhia para idosos. Dessa forma, o período na cama pode ser mais agradável, sem privar o paciente de antigos gostos, hábitos e uma boa convivência.

Preparamos o artigo com informações relevantes para o bem-estar de idosos acamados. Se você tem um familiar nessa situação, confira como oferecer o que há de melhor para o seu ente querido. Boa leitura!

Os idosos acamados

Quando se pensa em idosos acamados, é essencial entender o que o quadro significa: dependência. Por essa razão, trata-se de uma realidade que ninguém se sente à vontade em viver, o que demanda empatia e consideração. É preciso paciência e cuidados especiais, como explicaremos a seguir.

Doenças e acidentes são grandes responsáveis por pessoas da terceira idade permanentemente acamadas. O processo é desafiador de qualquer modo, mas existe diferença entre idosos com funções cognitivas preservadas ou comprometidas. Esse aspecto interfere no quanto os idosos acamados são capazes de tomar as próprias decisões e conduzir atividades ao longo do dia.

Caso eles não o sejam, o familiar assume essa responsabilidade. Nesse caso, é preciso ficar atento a detalhes cotidianos para garantir o conforto desses pacientes. A família pode, ainda, optar por contratar um cuidador, que tem experiência para oferecer companhia e assistência aos idosos.

Garantindo mais qualidade de vida

Pensando em conforto, as próprias instalações dos idosos acamados merecem atenção. A pessoa cuidadora deve alternar a posição do idoso na cama, a fim de evitar lesões na pele, já fina em virtude da idade. O uso de hidratantes após essa rotação é indicado, além de movimentos que ajudem o retorno venoso, evitando edemas.

O colchão deve estar sempre higienizado, assim como toda a cama e o ambiente em si. Um reforço plástico sobre o colchão ajuda a mantê-lo seco e protegido, e as roupas de cama devem ser trocadas com frequência. No caso de fraldas, faça a troca com os itens de higiene à mão e utilize luvas.

A alimentação deve ser balanceada, e um profissional pode ajudar a montar o cardápio ideal para cada idoso. Não se esqueça, ainda, da hidratação. Lembre-se de que a personalidade da pessoa deve ser respeitada, com relação às atividades propostas e à aparência, e esses detalhes são essenciais para a autoestima.

Ainda sobre o autocuidado, dê atenção ao corte das unhas e à higiene do corpo. O banho envolve cuidados relacionados à temperatura da água e à estrutura do box, quando for possível. Se não for, utilize panos úmidos e troque o lençol no fim do processo.

Assim, é possível tornar o dia a dia dos idosos acamados mais confortável e seguro, além de mais sociável. Companhias para idosos são importantes para a interação e, também, prestam suporte. O cuidador é um profissional habilitado para auxiliar em quaisquer tarefas, e é um acompanhante para todas as horas.

Cuidados especiais na terceira idade

Quando um idoso fica permanentemente acamado, adaptações na rotina são necessárias para manter a qualidade de vida e o bem-estar. A personalidade da pessoa deve ser respeitada e levada em conta quando o cuidador for o responsável pelas decisões e atividades, nos casos de comprometimento cognitivo.

É preciso dar atenção a aspectos como higiene e banho, cuidados importantes para a saúde do idoso, além da estética. Não se esqueça de manter o corte das unhas e dos cabelos e garantir o conforto do paciente deitado com movimentos e mudança de posição. Um especialista pode auxiliar na criação de um cardápio balanceado e nutritivo, individualizado para cada caso

Como mencionado ao longo do artigo, uma das opções para melhorar o bem-estar dos idosos acamados é ter alguém com quem dividir o tempo. A companhia para idosos estimula a socialização e promove a interação, importante também para a saúde mental. Quer saber mais? Confira nosso artigo sobre cuidadores de idosos e saiba por que é vantajoso investir nessa solução.

Categorias
Cuidados com idosos Idosos

Como lidar com idosos teimosos?

Não é raro encontrar familiares de idosos que se queixam de como os mais velhos são resistentes, inflexíveis e até agressivos. Muitos agem de forma obstinada, não aceitando atitudes necessárias para a promoção de seu bem-estar. Mas, afinal, como lidar com idosos teimosos?

Quem convive com uma pessoa de temperamento difícil sabe o quanto a teimosia pode colocar em risco sua saúde e qualidade de vida. Por isso, saber como agir diante de situações em que os mais velhos não concordam com algo necessário é fundamental.

Para ajudar você a identificar as causas desse comportamento e tomar as atitudes certas, preparamos este artigo. Continue a leitura e descubra como oferecer auxílio a quem você ama.

Por que alguns idosos são teimosos?

Para quem observa de fora, pode até parecer engraçado quando um idoso se recusa a dormir, tomar banho ou comer. Mas esse tipo de situação, quando se torna frequente, pode trazer sérios problemas para a convivência familiar e, principalmente, para o bem-estar do próprio indivíduo, que começa a colocar em risco a saúde.

O primeiro passo para lidar com esse comportamento é se perguntar o que há por trás dele. Afinal, a teimosia pode ser uma reação a diferentes problemas, muitas vezes ocultos. Entre as possíveis causas, estão:

  • Motivos sentimentais que fazem com que o idoso queira chamar a atenção;
  • Desenvolvimento de quadro demencial (alzheimer, por exemplo)
  • Não aceitação de possíveis limitações;
  • Medo de perder a autoridade e independência;
  • Efeitos colaterais de alguma medicação;
  • Dificuldades auditivas;
  • Irritabilidade;
  • Cansaço relacionado a distúrbios do sono;
  • Depressão.

Todos esses fatores podem levar um idoso a resistir a conselhos e opiniões da família. Alguns deles necessitam de tratamento, por isso, investigar os motivos é fundamental para encontrar a melhor solução para o problema. Em todos os casos, a paciência e a empatia são essenciais, pois nem sempre o idoso sabe por que está agindo dessa forma.

Como lidar com idosos teimosos?

Os desafios do envelhecimento podem fazer com que as pessoas se tornem resistentes ao auxílio de familiares. Mas algumas atitudes simples podem fazer a diferença quando o assunto é evitar conflitos e ajudar o idoso a tomar as melhores decisões para a manutenção de sua saúde e bem-estar.

Acima de tudo, deve-se sempre ter paciência. Mesmo que não seja fácil, é importante manter o diálogo ativo, argumentando e dando atenção ao idoso. Afinal, a aceitação de limitações advindas da chegada da terceira idade pode levar tempo. 

Oriente seu familiar para que ele consiga aceitar sua realidade e entenda que a família só quer o melhor. Procure oferecer exemplos e conversar com o idoso para que, juntos, consigam chegar à conclusão da melhor forma de resolver a situação. Evite falar demais, para que nenhum dos dois acabe nervoso ou com dores de cabeça, e dê tempo para seu familiar refletir.

Quando houver agressividade ou ameaças, a melhor opção é conversar com um psiquiatra ou psicólogo para entender o que pode estar motivando esse tipo de reação e, se necessário, iniciar um tratamento.

Por que contar com um cuidador de idosos?

Talvez você esteja se perguntando: se meu familiar não consegue ouvir a opinião de seus filhos ou netos, como um cuidador de idosos pode ajudar? A resposta é simples: esse profissional é treinado para lidar com a resistência e agir calmamente diante de situações de teimosia.

Os cuidadores são preparados para auxiliar na rotina do idoso, incentivando a adoção de hábitos saudáveis, lembrando sobre os medicamentos e minimizando os riscos de acidentes domésticos. Além disso, realizam junto a ele atividades de estímulos cognitivos e sociais, o que naturalmente melhora a saúde emocional e evita comportamentos negativos advindos de solidão ou carência, por exemplo.

Esclareça suas dúvidas

Se você chegou até aqui, já sabe como lidar com idosos teimosos e entende a importância de um cuidador nesse processo. O envelhecimento traz consigo desafios, e não é raro encontrar pessoas que respondem a eles com a teimosia. Isso faz com que a família precise estar atenta às possíveis causas e saiba agir com empatia e paciência. Afinal de contas, nem sempre o idoso age dessa forma intencionalmente!

Se você ainda tem dúvidas sobre o convívio com idosos de temperamento difícil, deixe seu comentário! Nossa equipe está pronta para ajudar.

Categorias
Cuidados com idosos depressão em idosos

Depressão em idosos: como prevenir e identificar?

A terceira idade é uma fase da vida repleta de transformações. A carreira profissional se encerra, os filhos saem de casa, limitações ou problemas de saúde aparecem… Sem dúvida, não é fácil lidar com tantas mudanças, não é mesmo? Por essa razão, a depressão em idosos infelizmente é um quadro frequente.

É comum vermos idosos morando sozinhos e passando longos períodos sem conversar com alguém. Isso leva muitas pessoas a acreditarem que a solidão e a tristeza são normais nessa fase da vida. No entanto, esses sinais merecem, sim, atenção e podem ser indicativos de um problema mais sério.

Para ajudar você a entender os sintomas da depressão em idosos e os meios mais eficazes de evitá-la, preparamos este artigo. Continue a leitura e esclareça suas dúvidas!

O que é depressão

A depressão é uma das mais comuns condições mentais tratáveis. De acordo com o Ministério da Saúde, sua prevalência ao longo da vida no Brasil gira em torno de 15,5%. Entre os idosos, estima-se que 9,2% da população sofra com a doença.

Trata-se de um transtorno que acarreta alterações no humor, caracterizando-se por uma tristeza profunda, além de sentimentos como culpa, amargura e baixa autoestima. Como resultado, a rotina fica comprometida, uma vez que a depressão passa a interferir em atividades corriqueiras.

Entre os idosos, é comum que o quadro seja negligenciado. Afinal, nem todo mundo consegue identificar a depressão em idosos, tendo em vista que os sintomas são diferentes. Com isso, a qualidade de vida se perde, e não é à toa que nos deparamos com a triste realidade do aumento de suicídios entre idosos.

Sintomas da depressão em idosos

Imagine a seguinte situação: você está visitando seu pai e nota que ele não parece ter o ânimo de antes. Ele não quer mais realizar tarefas de que gostava e passa grande parte do dia dormindo. O que fazer? Embora todo mundo enfrente fases difíceis, não se pode ignorar sinais como esses na vida de um idoso.

Nem sempre a depressão em idosos é facilmente perceptível. Muitos não aparentam estar tristes, dificultando o diagnóstico. Além disso, alguns apresentam perda de memória ou dores, sintomas que acabam sendo associados a outras doenças. O transtorno também pode se apresentar de forma mais severa nessa fase da vida, com queixas somáticas, hipocondria, alterações do sono e perda de apetite.

A falta de energia para a realização de tarefas do dia a dia, a apatia e a tendência de se isolar socialmente são outros sinais que podem acompanhar um quadro depressivo. Em geral, toda mudança de comportamento requer atenção. Portanto, caso note algum desses sinais, não deixe de levar seu familiar a uma consulta médica.

Prevenindo a depressão em idosos

Algumas atividades simples e hábitos saudáveis podem contribuir para trazer bem-estar e melhorar a saúde mental do idoso, prevenindo a depressão. Entre eles, podemos citar:

  • Prática de atividades físicas;
  • Alimentação saudável e equilibrada;
  • Atividades lúdicas e recreativas que exercitem o cérebro;
  • Convívio com familiares e amigos.

Para manter a mente equilibrada, é fundamental ter uma rotina saudável e não se isolar socialmente. Em tempos de distanciamento social como os que vivemos em razão da pandemia de coronavírus, a família pode auxiliar virtualmente, utilizando os meios de comunicação com os quais o idoso tem mais familiaridade.

A importância da companhia para idosos

Ficar sozinho é um fator de risco para a depressão na terceira idade. Por isso, a companhia para idosos é de fundamental importância para a prevenção desse e de outros problemas. O contato humano estimula o cérebro e promove o autocuidado, além de melhorar a autoestima. Tudo isso contribui para uma melhor qualidade de vida.

Mas, afinal, como oferecer companhia para idosos em meio à correria da rotina? Nessa situação, é válido contar com um acompanhante, profissional capaz de oferecer suporte especializado no dia a dia do familiar. Ao auxiliar na adoção de hábitos saudáveis e acompanhar o idoso, ele minimiza os riscos de solidão, isolamento e depressão.

De olho nos sinais

O envelhecimento é um processo natural, porém complexo. As mudanças que o acompanham, como a aposentadoria, limitações do organismo e a perda de entes queridos podem prejudicar a saúde emocional se não houver um suporte efetivo. Por isso, a depressão em idosos tem se tornado cada vez mais frequente. 

Não é raro encontrar casos em que a doença passa despercebida. Afinal, algumas pessoas erroneamente consideram a tristeza e a solidão características da terceira idade. Além disso, os sintomas costumam ser diferentes, dificultando o diagnóstico. Portanto, estar atento a qualquer mudança de comportamento é fundamental.

Agora que você já sabe como identificar e prevenir a depressão em idosos, bem como a importância da companhia nessa fase da vida, leve essas informações mais longe! Compartilhe o artigo em suas redes sociais e ajude mais pessoas a ficarem atentas à saúde mental dos mais velhos.

Categorias
Cuidados com idosos Idosos

6 dicas para melhorar a convivência com pais idosos

Manter um uma boa convivência com pais idosos pode ser um desafio, mas certamente vale a pena. Afinal, quem não deseja chegar à terceira idade tendo um bom relacionamento com os filhos? Contudo, para isso, você deve fazer a sua parte, exercitando sua paciência e empatia com os mais velhos, que podem ser mais sensíveis ou apresentar resistência a mudanças.

Os idosos sempre têm algo de bom a nos oferecer, seja uma boa história, um conselho ou o simples compartilhamento de suas experiências. Os filhos nem sempre sabem, porém, como ouvi-los e entender os desafios do envelhecimento. Cada fase da vida tem suas necessidades e especificidades, e é preciso ter consciência disso para manter uma relação próxima e saudável.

Se você busca uma convivência mais harmoniosa com os seus pais idosos, continue a leitura e confira as dicas que preparamos para ajudar!

1. Tenha paciência

Muitas pessoas que convivem com idosos acabam se cansando de algumas histórias, manias ou teimosias. No entanto, é preciso ter paciência diante dessas situações, além, é claro, de agir com carinho. Afinal, o idoso pode ter um temperamento difícil, mas também tem suas angústias e preocupações.

Para evitar discussões, deve-se manter a calma e refletir sobre suas atitudes, praticando a resiliência e a empatia. Mesmo que você não concorde com sua maneira de enxergar a vida, busque sempre entender as necessidades do idoso, colocando-se em seu lugar. Assim, fica mais fácil manter o diálogo e ajudá-lo a superar suas dificuldades. Antes de falar, respire fundo! A saúde mental de ambos agradece.

2. Priorize o respeito

A base de qualquer relacionamento saudável é o respeito, especialmente quando nos dirigimos a pessoas mais velhas. Entenda que seus pais têm sua própria experiência, aprendizados e costumes. Aceitar as diferenças é essencial para não criar atritos.

Embora algumas conversas possam ser realmente difíceis, nada justifica lançar sobre os mais velhos suas frustrações. Frases como “você vive às minhas custas” ou “estou lhe fazendo um favor” devem ser evitadas em toda e qualquer circunstância. 

3. Compreenda suas limitações

Uma boa parte das pessoas passa pelo processo de envelhecimento mantendo condições de saúde favoráveis. Mas é preciso entender que, com a terceira idade, podem surgir limitações. Ninguém escolhe ter dificuldades para ouvir, enxergar ou caminhar, não é mesmo? Portanto, a compreensão de seu momento na vida é bem-vinda quando o assunto é melhorar a convivência.

Não há dúvida de que idosos precisam se manter ativos, realizando diferentes atividades em seu dia a dia. Entretanto, mesmo tarefas simples podem se tornar um desafio após algumas mudanças do organismo. Observe todas as possíveis limitações e não peça que seu familiar faça algo que vá além de suas capacidades atuais, como serviços que demandem raciocínio rápido ou força física.

4. Incentive a descontração

Depois da aposentadoria, o idoso passa a dispor de mais tempo em casa. Muitas vezes, isso leva a uma diminuição do gasto de energia. Essa inatividade pode trazer prejuízos tanto à saúde corporal quanto mental. Não é raro encontrar idosos com quadros de estresse ou depressão, fator que se agrava ainda mais quando o convívio social é prejudicado.

Por essa razão, sempre que possível, incentive seus pais idosos a realizarem atividades divertidas. O lazer traz uma série de benefícios para quem já chegou na terceira idade, exercitando o cérebro, melhorando a autoestima e até a qualidade do sono. Um simples jogo de memória ou fazer o almoço juntos pode fazer a diferença no dia dos idosos e em seu relacionamento familiar. Aproveitem cada momento juntos!

5. Reconheça sua experiência

Manter a autonomia do idosos e ouvir suas opiniões é fundamental para uma boa convivência. Afinal, quem já chegou na terceira idade tem experiência de sobra e não deseja ter seus pontos de vista menosprezados, não é mesmo? Mesmo em situações cotidianas, se sua capacidade cognitiva permitir, dê ao seu familiar o direito de escolher entre várias opções. 

Outro modo de incentivar essa autonomia e fazer com que seus pais se sintam importantes é pedir conselhos ou sugestões. Acredite: quem viveu muitos anos tem mais coisas para ensinar do que nós imaginamos. Quando não concordar com algo e precisar argumentar, faça-o com respeito e carinho, sem elevar o tom de voz.

6. Incentive a adoção de hábitos saudáveis

Hábitos saudáveis são essenciais em todas as idades. Mas, com o envelhecimento, tornam-se ainda mais relevantes, tendo em vista a maior vulnerabilidade a algumas doenças. Diante disso, procure incentivar seus pais idosos a levarem uma vida mais saudável. Mais do que isso, peça o seu auxílio para que toda a família possa desenvolver esses hábitos de forma conjunta.

Também é importante estar atento à saúde do idoso e levá-lo ao médico regularmente. Isso porque, com receio de dar trabalho aos filhos, alguns pais não mencionam que estão se sentindo bem. Exames e consultas de rotina são fundamentais para identificar possíveis problemas e manter sua tranquilidade.

Agora, você já conhece alguns dos principais meios de se conseguir melhorar a convivência com pais idosos. Embora a terceira idade traga seus desafios e limitações, é possível, sim, ter uma relação harmoniosa com pessoas mais velhas. Basta ter paciência, sensibilidade e muita empatia. E, caso sua rotina não possibilite oferecer o suporte necessário, vale a pena investir em um cuidador, para que seu familiar tenha todo o apoio de que precisa em seu dia a dia.

Este conteúdo foi útil para você? Se tiver alguma dúvida ou quiser compartilhar suas experiências, deixe seu comentário!

Categorias
Cuidadores de Idosos Cuidados com idosos

Cuidadores de idosos em SP: conheça a Senior Concierge

Quando somos crianças, nossos pais ou avós não medem esforços para cuidar de nós. Mas, com o passar dos anos, a situação muda. O envelhecimento traz algumas limitações e faz com que eles passem a necessitar de nosso cuidado e atenção. No entanto, oferecer esse apoio não é uma tarefa simples, o que faz a procura por cuidadores de idosos em SP aumentar a cada dia.

Além da atenção voltada exclusivamente para as necessidades do idoso, a contratação de um profissional para atuar na sua própria residência traz uma série de vantagens. Entre elas, o bem-estar do indivíduo, que pode continuar no conforto do lar e em contato com as pessoas com quem já convive.

Pensando em mostrar as vantagens de contratar um cuidador de idosos, preparamos este artigo. Continue a leitura para saber mais sobre esse serviço e descubra como a Senior Concierge pode ajudar.

As vantagens de contratar cuidadores de idosos

Além de toda a comodidade proporcionada pelo cuidado na própria residência do idoso, a opção por contar com um cuidador oferece uma série de vantagens que se estendem à família. Afinal, com o familiar mais seguro em seu dia a dia, os filhos e netos podem ter a tranquilidade de saber que ele está sendo bem cuidado.

Confira outras vantagens desse serviço e descubra se essa é a opção ideal para o seu familiar:

  • Auxílio na realização de tarefas do dia-a-dia;
  • Melhora na autonomia e independência do idoso;
  • Prevenção de acidentes e quedas no lar;
  • Suporte especializado em situações de emergência;
  • Promoção da adoção de hábitos saudáveis;
  • Melhora na autoestima do idoso, minimizando o risco de depressão.

É importante ressaltar que, ao contratar essa solução, deve-se escolher a empresa de forma criteriosa. Afinal, a terceira idade é uma fase da vida muito delicada, que requer atenção e cuidados especiais. Se você está em busca de profissionais especializados, treinados e selecionados de forma criteriosa, continue a leitura e conheça a Senior Concierge.

Saiba mais sobre a Senior Concierge

A Senior Concierge nasceu em 2015, na cidade de São Paulo. Foi idealizada a partir da experiência pessoal de sua fundadora, Marcia Sena, que teve como inspiração suas próprias dificuldades para conciliar a carreira executiva, a preocupação com os filhos e os cuidados com os pais envelhecendo.

Somos uma prestadora de cuidados para pessoas com 60+ que precisam de suporte para manter a qualidade de vida e a organização da rotina. Atuamos com um conceito inovador, o Aging in Place, que tem como foco garantir o conforto e a independência das pessoas da terceira idade oferecendo serviços que permitam-nos viver no local que eles escolham, geralmente suas próprias casas.

Nosso modelo é baseado nas recomendações das principais sociedades médicas do mundo (como a Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, ASG – American Society of Geriatrics, a SJGG – Sociedade Japonesa de Geriatria e Gerontologia) e da OMS (Organização Mundial da Saúde), que preconizam o estímulo de três áreas (física, cognitiva e social) para se alcançar o envelhecimento ativo e saudável.

Conheça nossos diferenciais a seguir e saiba por que a Senior Concierge é a melhor opção para quem busca por cuidadores de idosos em SP.

Experiência

Temos grande expertise em envelhecimento ativo, oferecendo a melhor qualidade possível e no local de sua preferência, seja sua casa ou dos familiares. Reunimos a experiência de nossa fundadora no cuidado de seus próprios pais e da equipe, que conta com mais de 30 anos de atuação na área da saúde e longevidade.

Confiança

Desenvolvemos uma gestão transparente e atenciosa, feita por pessoas e para pessoas, com o objetivo de oferecer um suporte confiável e descomplicado à terceira idade. Com a Senior Concierge, você tem a certeza de que os cuidados de seu familiar idoso estão em boas mãos.

Capacitação

Trabalhamos de forma extremamente rigorosa e criteriosa no recrutamento, seleção, contratação e treinamento de profissionais para nossa equipe, checando referências, experiência prévia, formação e postura, a fim de que o cuidado ao idoso resulte em tranquilidade para a família.

Disponibilidade

Oferecemos um atendimento rápido, flexível e com plantão 24 horas, a fim de suprir todas as necessidades da rotina do idoso e assegurar sua independência. Atendemos toda a cidade de São Paulo, além de municípios vizinhos.

Flexibilidade

Oferecemos soluções totalmente personalizadas de acordo as necessidades da família e do idoso. Com horários flexíveis e uma equipe sempre disponível, prestamos suporte em casa ou em hospitais.

Eficiência

Temos profissionais qualificados para realizar a supervisão diária, gestão e controle dos cuidadores já contratados por você. Com isso, conseguimos evitar faltas, realizar o controle de férias e proporcionar tranquilidade para os familiares do idoso.

Oferecer companhia e apoio aos idosos é fundamental para a manutenção de sua autonomia e qualidade de vida. Pensando nisso, a Senior Concierge desenvolveu seu serviço de cuidados pessoais com o intuito de ser um braço de suporte para os familiares que desejam garantir o bem-estar de seus pais ou avós. Então, se você está em busca de cuidadores de idosos em SP, não deixe de nos contatar!

Fale conosco e descubra como atuamos para oferecer um suporte descomplicado à terceira idade.

Categorias
cuidador Cuidados com idosos Idosos

Companhia para idosos: 5 razões para contratar um cuidador

Se você tem um familiar que chegou na terceira idade e está precisando de auxílio em seu dia a dia, certamente já pensou sobre a importância da companhia para idosos. Afinal, tudo o que queremos é que nossos pais ou avós sintam-se confortáveis e amparados, não é mesmo?

Apesar de entender a necessidade de estar ao lado dos mais velhos neste momento de suas vidas, as exigências do mundo contemporâneo parecem não colaborar. Trabalho, estudos, compromissos, cuidado com os filhos… Tudo isso limita as possibilidades de acompanhar adequadamente a rotina de quem amamos, oferecendo todo o cuidado necessário.

Mas, afinal de contas, como é possível fornecer esse suporte para os idosos sem abrir mão das tarefas diárias? Para isso, existem os cuidadores. Além de poderem atuar como acompanhantes, eles contam com os conhecimentos necessários para garantir ao idoso mais conforto, segurança e qualidade de vida.

Se quiser saber mais sobre a necessidade de companhia para idosos e conhecer motivos pelos quais é vantajoso contratar um cuidador, continue a leitura e tire todas as suas dúvidas!

Qual a importância da companhia para idosos?

O envelhecimento costuma trazer consigo diversas mudanças e desafios. Redução de mobilidade, maior propensão a demências e perda de visão estão entre as dificuldades que acometem muitos idosos, prejudicando sua autonomia. 

Quando acompanhada de limitações funcionais, essa fase da vida exige atenção a diversas áreas, o que nem sempre é possível para os familiares. Afinal, mais do que oferecer companhia, é preciso ter um entendimento sobre a saúde do idoso e conhecer as doenças comuns na terceira idade para fornecer todo o acompanhamento necessário.

Apesar dos esforços de muitos filhos ou netos em tentar garantir uma longevidade ativa e saudável aos idosos, os compromissos diários tornam impossível estar presente durante todo o tempo necessário. Além disso, a falta de compreensão sobre alterações ocasionadas pelo envelhecimento pode acabar levando a situações de estresse.

Diante desse cenário, mais do que um acompanhante, é preciso contar com um cuidador. Afinal, somente com o auxílio de profissionais especializados, o idoso consegue manter uma rotina saudável, evitando possíveis complicações e, consequentemente, reduzindo a necessidade de busca por serviços de saúde.

O que faz um cuidador de idosos?

O cuidador de idosos é o profissional especializado em oferecer apoio no dia a dia de pessoas com mais de 60 anos de idade. Além de acompanhar, ele ajuda na realização de diversas tarefas cotidianas. Suas atividades podem incluir:

  • Auxílio na higiene pessoal do idoso;
  • Apoio na rotina de medicações;
  • Companhia para consultas e exames
  • Ajuda na troca de roupas;
  • Auxílio nas refeições;
  • Companhia na realização de atividades diversas;
  • Atenção ao ambiente para prevenir acidentes;
  • Aferição de pressão arterial;
  • Acionamento de familiares e do SAMU em caso de emergências.

A contratação de um cuidador oferece uma série de benefícios, tendo em vista que esses profissionais dão total atenção ao idoso, identificando possíveis anormalidades e minimizando riscos. Continue a leitura e descubra por que é vantajoso garantir esse suporte especializado ao seu familiar.

Por que contratar um cuidador?

Mais do que atuar como um acompanhante ou ajudar na realização de tarefas simples, o cuidador oferece total atenção à saúde do idoso e ao ambiente em que ele está inserido, minimizando uma série de riscos. 

Conheça, a seguir, os principais motivos pelos quais vale a pena investir no serviço de cuidados pessoais:

1. Aumento na autonomia e qualidade de vida do idoso

Um dos principais benefícios de contar com um cuidador na residência é que, com o seu suporte, cresce a sensação de autonomia e independência do idoso. Afinal, muitas pessoas nessa idade deixam de fazer atividades que gostam porque não conseguem realizá-las sozinhas, mas também não desejam incomodar filhos ou netos por causa delas.

Com o auxílio de um cuidador, o idoso pode voltar a fazer coisas que contribuem para o seu bem-estar, afastando sentimentos como solidão e tristeza. Os resultados são uma mente mais saudável e qualidade de vida.

2. Prevenção de acidentes

Especialmente nos casos em que há limitações físicas, a companhia de um cuidador é fundamental. Afinal, esse profissional consegue identificar elementos no ambiente que podem ocasionar quedas e acidentes. Além disso, ele oferece auxílio na rotina de medicamentos, não deixando que um possível esquecimento leve a sérias consequências na saúde do idoso.

Por fim, diante de situações de emergência, o cuidador sabe exatamente como agir, contatando as pessoas certas para que o idoso seja atendido rapidamente.

3. Adoção de hábitos saudáveis

Mais do que evitar acidentes, os cuidadores oferecem total apoio na rotina do idoso, atuando, inclusive, na adoção de hábitos saudáveis. Eles oferecem auxílio na alimentação, minimizando riscos de desnutrição e desidratação. Além disso, podem ajudar o idoso na realização de atividades físicas.

4. Diminuição do risco de isolamento social

Não são raros os casos em que idosos se isolam em casa, deixando de lado a convivência social. Esse distanciamento pode levar a quadros de estresse, tristeza profunda e até depressão. Mas, com a companhia de um cuidador, além de ter com quem conversar, o idoso passa a ter um incentivador e alguém que o apoia na realização de atividades que propiciem sua socialização.

5. Tranquilidade para a família

Como dito anteriormente, é comum que os parentes não consiga abrir mão dos compromissos diários para cuidar do idoso. A contar com um cuidador, torna-se possível equilibrar as relações e rotinas. Além disso, a família pode ter a tranquilidade e segurança de saber que o cuidado de seu familiar idoso está em boas mãos.

Não há dúvida de que a companhia para idosos é importante, principalmente quando o assunto é a manutenção da qualidade de vida e autonomia. É comum que um familiar se ofereça como acompanhante, mas a correria do dia a dia torna essa tarefa um verdadeiro desafio. Por isso, a solução mais recomendada para garantir o conforto de pessoas da terceira idade é a contratação de um cuidador.

Você tem dúvidas sobre esse assunto ou gostaria de entender melhor as vantagens desse serviço? Deixe seu comentário!

Categorias
Alzheimer Cuidados com idosos Idosos

Alzheimer em idosos: conheça os sintomas e cuidados necessários

Embora possa ocorrer de forma precoce, a doença de Alzheimer é mais comum em idosos com mais de 65 anos de idade. Trata-se de um tipo de demência que provoca progressiva perda de células neurais, com a deterioração de funções cerebrais, como a capacidade de se cuidar e a linguagem. Estima-se que ela afete cerca de 35,6 milhões de pessoas no mundo.

Seus prejuízos estendem-se à memória, ao pensamento e ao comportamento, tornando necessária uma companhia para idosos com essa condição. Afinal, mesmo as tarefas mais básicas, como se alimentar e tomar banho, podem se tornar um verdadeiro desafio em estágios mais avançados.

Se você quer entender os sintomas do Alzheimer em idosos e conhecer alguns dos cuidados necessários para a manutenção de sua qualidade de vida, está no lugar certo! Continue a leitura e saiba mais sobre essa doença.

Quais os sintomas do Alzheimer em idosos?

O Alzheimer em idosos apresenta uma série de sintomas. No início da doença, o mais comum é a perda de memória, principalmente da memória ligada a fatos recentes e até então, bastante conhecidos do idoso. Além disso, pode-se notar uma diminuição da capacidade de pensar de maneira abstrata e utilizar o bom senso, além de mudanças sutis nos padrões de fala. 

Com o avanço da doença, vão surgindo sintomas mais graves, como a irritabilidade e a perda da memória relativa aos acontecimentos antigos.

Confira outros sinais característicos do Alzheimer:

  • Prejuízo na capacidade de orientação no tempo e espaço;
  • Dificuldade para acompanhar diálogos complexos;
  • Perda de capacidade motora;
  • Problemas no uso de linguagem;
  • Dificuldade para dirigir e localizar caminhos já conhecidos;
  • Comportamentos inapropriados;
  • Insônia e agitação;
  • Repetição de questionamentos.

No estágio mais avançado  da doença, além de prejuízo gravíssimo à memória, há dificuldade de deglutir, falar e andar, além de infecções intercorrentes.

Como prevenir o Alzheimer?

Não se pode afirmar com certeza qual o meio mais eficaz de evitar o Alzheimer em idosos. Afinal, ainda não se conhecem suas causas específicas, embora estudos apontem uma predisposição genética para o seu desenvolvimento. Contudo, algumas pesquisas mostram que pequenas mudanças na rotina podem ser capazes de reduzir os riscos.

Confira algumas atitudes que auxiliam na prevenção:

  • Manter a mente em funcionamento por meio de atividades como leitura, estudos e jogos de memória;
  • Adotar uma alimentação equilibrada, com opções naturais e ricas em ômega-3.
  • Praticar atividades físicas regularmente;
  • Ter boas noites de sono;
  • Não fumar.

Quais cuidados podem auxiliar o idoso com Alzheimer?

Até o momento, o Alzheimer permanece sem cura. Mas alguns cuidados podem ajudar os idosos que sofrem com a doença a terem mais qualidade de vida e conforto no dia a dia. Confira algumas atitudes que podem facilitar a vida e a convivência de um indivíduo com esse quadro:

  • Estabeleça uma rotina com dias e horários bem definidos, ajudando o idoso a cumpri-la por meio de lembretes.
  • Estimule o convívio do idoso com familiares e amigos, mesmo que de maneira virtual, com o auxílio da tecnologia.
  • Limite as opções de escolha ao oferecer algo. Por exemplo, mostre apenas duas opções de roupa em vez de cinco. Isso evita possível irritação ou confusão mental.
  • Elimine possíveis distrações e ajude o idoso a manter o foco em uma tarefa por vez.
  • Providencie suporte profissional quando se tornar difícil oferecer ao idoso todo o auxílio necessário em sua rotina.

Qual a importância da companhia para idosos com Alzheimer?

A perda de funções cerebrais ocasionada pela doença tem como resultado um comprometimento da independência do paciente, impossibilitando que ele continue vivendo sozinho e sem auxílio. Com o passar do tempo, ele pode precisar de ajuda para comer, se vestir e ir ao banheiro.

O agravamento dos sintomas tende inclusive a aumentar o risco de quedas dentro de casa ou a possibilidade de que o idoso venha a se perder. Por essa razão, a companhia para idosos com Alzheimer é fundamental para a manutenção de uma rotina saudável e segura.

Embora muitas pessoas optem por oferecer suporte a seus familiares idosos, os compromissos do dia a dia podem tornar essa opção inviável. Diante dessa situação, a solução ideal é a contratação de um cuidador, profissional que, com paciência e dedicação, atua para garantir ou manter a qualidade de vida de idosos com Alzheimer.

O serviço de cuidados pessoais na própria residência do indivíduo garante, ainda, tranquilidade para a família, que muitas vezes não conta com os conhecimentos necessários para lidar corretamente com o idoso que sofre de Alzheimer.

O Alzheimer é uma doença degenerativa do cérebro que prejudica várias funções, como a memória, a linguagem e a coordenação. Comportamentos são comprometidos, dificultando a rotina de quem convive com essa condição. Por essa razão, a companhia para idosos que sofrem com ela é uma necessidade, minimizando riscos e garantindo a tranquilidade de toda a família.

Se você conhece mais pessoas que têm parentes com a doença e gostariam de saber mais sobre o Alzheimer em idosos, ou que se interessariam por dicas de prevenção, não deixe de compartilhar este conteúdo!

Categorias
Cuidados com idosos Idosos Pneumonia

Pneumonia em idosos: riscos e prevenção

Não há dúvida de que a pneumonia em idosos é um quadro preocupante. A doença infecciosa, caracterizada por uma inflamação do pulmão, pode ser ocasionada por bactérias, vírus ou fungos. Esses agentes penetram no espaço alveolar, prejudicando a troca gasosa. Trata-se de uma das principais causas de internações no país, afetando cerca de 900 mil pessoas anualmente.

Infelizmente, é comum que a doença afete os idosos, que são mais vulneráveis a ela. Isso porque a sua incidência aumenta com o avanço da idade. Seus impactos no organismo podem não ser perceptíveis no começo, o que atrasa o diagnóstico e agrava a situação. Quando não tratada a tempo, pode levar à morte, o que mostra a necessidade de estar atento aos sintomas e comportamentos de pessoas da terceira idade.

Para ajudar você a entender como a pneumonia afeta os idosos, seus fatores de risco e a importância de observar seus sinais, preparamos este artigo. Boa leitura!

Quais os fatores de risco da pneumonia em idosos?

Com o passar dos anos, as defesas do organismo dos idosos costumam se enfraquecer, tornando-os mais vulneráveis à pneumonia. Afinal, esse fator faz com que a exposição a microorganismos resulte em processos infecciosos com mais facilidade. Por essa razão, eles são considerados grupo de risco.

De acordo com o portal Boa Saúde, a partir dos 65 anos, aumenta o risco de ocorrência da doença, mas outros fatores também podem contribuir, e é preciso estar atento a eles. Confira os principais:

  • Presença de doenças crônicas associadas, como hipertensão, diabetes, asma e problemas cardíacos;
  • Falta de nutrientes no organismo;
  • Necessidade de hospitalizações recorrentes;
  • Alcoolismo e tabagismo;
  • Internação em clínicas ou casas de repouso;
  • Colonização de bactérias na cavidade bucal;
  • Utilização de sondas gástricas para alimentação.

Além desses fatores, existem mudanças naturais relativas ao envelhecimento que favorecem o surgimento da doença. Entre elas, a redução da força dos músculos que auxiliam na tosse, mecanismo de defesa do organismo contra infecções. Além disso, os pulmões tendem a sofrer mudanças nas estruturas, ocasionando menor tolerância a esforços e consequente diminuição na realização de exercícios físicos. Todas essas alterações favorecem o acúmulo de secreção no órgão, facilitando o desenvolvimento de agentes nocivos.

Quais os sintomas da pneumonia?

Nem sempre é simples identificar a pneumonia em idosos. Afinal, seu estágio inicial pode ser confundido com uma gripe ou um mal-estar. Além disso, o quadro clínico apresentado na terceira idade é muito diferente daquele que ocorre em indivíduos mais jovens, o que torna ainda mais difícil o diagnóstico.

Em geral, os sintomas da pneumonia são:

  • Tosse com catarro ou seca;
  • Febre;
  • Dor no tórax;
  • Falta de ar;
  • Cansaço;
  • Mal-estar geral;
  • Dor de cabeça;
  • Perda de apetite.

Enquanto, em pessoas jovens, é mais comum a presença de sintomas como tosse, febre e dor torácica, nos idosos, esses sinais não costumam aparecer. Na terceira idade, é mais frequente a presença de redução do apetite, confusão mental e desânimo, além de mudança na frequência de respirações.

Levando-se em conta que, em idades mais avançadas, a gravidade da pneumonia é maior, com risco de disseminação da infecção para o sangue, é fundamental diagnosticar e tratar a doença o mais rápido possível. Por essa razão, a atenção constante às mínimas alterações na saúde do idoso é um fator decisivo para o sucesso do tratamento.

Como prevenir a pneumonia em idosos?

As medidas necessárias para evitar a ocorrência da doença são simples. Conheça as principais:

Vacinação

A vacina da gripe é fundamental para a prevenção da pneumonia em idosos. Isso porque o agravamento da doença pode fazer com que os vírus cheguem ao pulmão. Também é importante vacinar o idoso contra o pneumococo, microorganismo que frequentemente leva à pneumonia bacteriana entre pessoas mais velhas.

Higiene

Lavar as mãos com frequência é um hábito benéfico que evita essa e muitas outras doenças. Mas uma boa higienização bucal também é muito bem-vinda quando o assunto é manter-se livre da pneumonia, uma vez que a presença de bactérias na boca pode ocasionar o quadro.

Cuidados gerais

Outros cuidados ajudam a manter os idosos livres da pneumonia, como uma alimentação balanceada, o controle de doenças crônicas e o posicionamento correto do leito, que, principalmente no momento das refeições, deve ser mantido com a cabeceira elevada.

Como é feito o tratamento da pneumonia?

Em geral, o tratamento da pneumonia é feito por meio de antibióticos, cujo diagnóstico e  escolha competem ao médico. Mas há quadros em que não há necessidade do uso desse tipo de medicamento, como nos casos de infecções virais. Em idosos, a doença pode ser tratada em casa ou no hospital, a depender da orientação do médico e da gravidade do caso.

Como tratamento complementar para a recuperação das funções do pulmão, pode-se realizar, sob orientação médica, a fisioterapia respiratória. Seu objetivo é melhorar a dinâmica respiratória, fortalecendo músculos e auxiliando na remoção de secreções. Utilizando estratégias não invasivas, essa técnica possibilita reverter ou minimizar as disfunções pulmonares ocasionadas pela pneumonia.

A pneumonia em idosos é uma doença preocupante, que representa sérios riscos à saúde. A efetividade de seu tratamento depende da rapidez do diagnóstico. Por essa razão, estar atento a anormalidades na saúde do idoso é essencial. Vale lembrar que, para oferecer atenção total a possíveis sintomas, uma boa opção é contar com um cuidador, que pode auxiliar, inclusive, na adoção de medidas preventivas.

Agora que você já sabe mais sobre esse problema, compartilhe o artigo em suas redes sociais para quem mais pessoas entendam sua gravidade e saibam da importância de um olhar atento à saúde dos idosos.