Categorias
Cuidados com idosos Idosos Pneumonia

Pneumonia em idosos: riscos e prevenção

Não há dúvida de que a pneumonia em idosos é um quadro preocupante. A doença infecciosa, caracterizada por uma inflamação do pulmão, pode ser ocasionada por bactérias, vírus ou fungos. Esses agentes penetram no espaço alveolar, prejudicando a troca gasosa. Trata-se de uma das principais causas de internações no país, afetando cerca de 900 mil pessoas anualmente.

Infelizmente, é comum que a doença afete os idosos, que são mais vulneráveis a ela. Isso porque a sua incidência aumenta com o avanço da idade. Seus impactos no organismo podem não ser perceptíveis no começo, o que atrasa o diagnóstico e agrava a situação. Quando não tratada a tempo, pode levar à morte, o que mostra a necessidade de estar atento aos sintomas e comportamentos de pessoas da terceira idade.

Para ajudar você a entender como a pneumonia afeta os idosos, seus fatores de risco e a importância de observar seus sinais, preparamos este artigo. Boa leitura!

Quais os fatores de risco da pneumonia em idosos?

Com o passar dos anos, as defesas do organismo dos idosos costumam se enfraquecer, tornando-os mais vulneráveis à pneumonia. Afinal, esse fator faz com que a exposição a microorganismos resulte em processos infecciosos com mais facilidade. Por essa razão, eles são considerados grupo de risco.

De acordo com o portal Boa Saúde, a partir dos 65 anos, aumenta o risco de ocorrência da doença, mas outros fatores também podem contribuir, e é preciso estar atento a eles. Confira os principais:

  • Presença de doenças crônicas associadas, como hipertensão, diabetes, asma e problemas cardíacos;
  • Falta de nutrientes no organismo;
  • Necessidade de hospitalizações recorrentes;
  • Alcoolismo e tabagismo;
  • Internação em clínicas ou casas de repouso;
  • Colonização de bactérias na cavidade bucal;
  • Utilização de sondas gástricas para alimentação.

Além desses fatores, existem mudanças naturais relativas ao envelhecimento que favorecem o surgimento da doença. Entre elas, a redução da força dos músculos que auxiliam na tosse, mecanismo de defesa do organismo contra infecções. Além disso, os pulmões tendem a sofrer mudanças nas estruturas, ocasionando menor tolerância a esforços e consequente diminuição na realização de exercícios físicos. Todas essas alterações favorecem o acúmulo de secreção no órgão, facilitando o desenvolvimento de agentes nocivos.

Quais os sintomas da pneumonia?

Nem sempre é simples identificar a pneumonia em idosos. Afinal, seu estágio inicial pode ser confundido com uma gripe ou um mal-estar. Além disso, o quadro clínico apresentado na terceira idade é muito diferente daquele que ocorre em indivíduos mais jovens, o que torna ainda mais difícil o diagnóstico.

Em geral, os sintomas da pneumonia são:

  • Tosse com catarro ou seca;
  • Febre;
  • Dor no tórax;
  • Falta de ar;
  • Cansaço;
  • Mal-estar geral;
  • Dor de cabeça;
  • Perda de apetite.

Enquanto, em pessoas jovens, é mais comum a presença de sintomas como tosse, febre e dor torácica, nos idosos, esses sinais não costumam aparecer. Na terceira idade, é mais frequente a presença de redução do apetite, confusão mental e desânimo, além de mudança na frequência de respirações.

Levando-se em conta que, em idades mais avançadas, a gravidade da pneumonia é maior, com risco de disseminação da infecção para o sangue, é fundamental diagnosticar e tratar a doença o mais rápido possível. Por essa razão, a atenção constante às mínimas alterações na saúde do idoso é um fator decisivo para o sucesso do tratamento.

Como prevenir a pneumonia em idosos?

As medidas necessárias para evitar a ocorrência da doença são simples. Conheça as principais:

Vacinação

A vacina da gripe é fundamental para a prevenção da pneumonia em idosos. Isso porque o agravamento da doença pode fazer com que os vírus cheguem ao pulmão. Também é importante vacinar o idoso contra o pneumococo, microorganismo que frequentemente leva à pneumonia bacteriana entre pessoas mais velhas.

Higiene

Lavar as mãos com frequência é um hábito benéfico que evita essa e muitas outras doenças. Mas uma boa higienização bucal também é muito bem-vinda quando o assunto é manter-se livre da pneumonia, uma vez que a presença de bactérias na boca pode ocasionar o quadro.

Cuidados gerais

Outros cuidados ajudam a manter os idosos livres da pneumonia, como uma alimentação balanceada, o controle de doenças crônicas e o posicionamento correto do leito, que, principalmente no momento das refeições, deve ser mantido com a cabeceira elevada.

Como é feito o tratamento da pneumonia?

Em geral, o tratamento da pneumonia é feito por meio de antibióticos, cujo diagnóstico e  escolha competem ao médico. Mas há quadros em que não há necessidade do uso desse tipo de medicamento, como nos casos de infecções virais. Em idosos, a doença pode ser tratada em casa ou no hospital, a depender da orientação do médico e da gravidade do caso.

Como tratamento complementar para a recuperação das funções do pulmão, pode-se realizar, sob orientação médica, a fisioterapia respiratória. Seu objetivo é melhorar a dinâmica respiratória, fortalecendo músculos e auxiliando na remoção de secreções. Utilizando estratégias não invasivas, essa técnica possibilita reverter ou minimizar as disfunções pulmonares ocasionadas pela pneumonia.

A pneumonia em idosos é uma doença preocupante, que representa sérios riscos à saúde. A efetividade de seu tratamento depende da rapidez do diagnóstico. Por essa razão, estar atento a anormalidades na saúde do idoso é essencial. Vale lembrar que, para oferecer atenção total a possíveis sintomas, uma boa opção é contar com um cuidador, que pode auxiliar, inclusive, na adoção de medidas preventivas.

Agora que você já sabe mais sobre esse problema, compartilhe o artigo em suas redes sociais para quem mais pessoas entendam sua gravidade e saibam da importância de um olhar atento à saúde dos idosos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *